11/01/2013

OS PÉS NO SOFÁ


O meu pai nunca me deixou pôr os pés no sofá. Mas por alguma razão, os meus pés fugiam sempre lá para cima. Era um reflexo incontrolável. Como tantos outros que eu tinha. Tipo cócó na cuecas depois de estar sentado no bacio. Desenhar a carvão nas paredes. Pular do berço durante a noite. Saltar de cadeiras com um pano de cozinha a fazer de capa de super-herói. Atirar pedras às janelas. Passar por cima das minhas irmãs bebés com o triciclo (elas são duas, grau de dificuldade máximo). O meu pai tentava contrariar todos estes reflexos. De uma forma um pouco vigorosa, eu até diria. Ainda para mais tendo em conta que sempre fui uma criança sossegada. . . - pausa para reflexão - . . . Hoje sou pai. De um miúdo com 2 anos. Continuo a achar que o esforço do meu pai em contrariar as minhas formas de expressão era exagerado. Por isso quando dei por mim a pedir ao meu filho para tirar os pés dos sofá e o vi a  suspender os pés no ar a 1 mm do sofá branquinho e a olhar para mim como quem diz "é mais forte que eu", pensei "porra, que se lixe". Mete os pés no sofá filho. Só não tentes é passar por cima de ninguém. Nem de triciclo nem de maneira nenhuma.

Nota. Este blog é sobre o meu dia-a-dia como pai. Não como o melhor pai do mundo como diz a minha mulher. Não como o pior pai do mundo como o Peter Griffin. Apenas como pai. Um pai que faz merda mais do que gostaria, mas que lá de vez em quando tem rasgos de genialidade. Expôr a minha vida através deste blog seguramente não é um desses rasgos. Mas "fuck it", se alguém aprender com os meus erros, este blog já terá servido o seu propósito. Senão, há de ser excelente motivo de risada para o meu filho quando crescer. Ou de psicoterapia.

8 comentários:

  1. Parabéns pelo blog, adorei! :)

    ResponderEliminar
  2. Acabei de ler o Blog de uma ponta a outra e como pai de uma filha com 2 anos só posso dizer que está genial... Uma escrita acima da média e um humor brilhante... parabéns

    ResponderEliminar
  3. Tal como o comentador anterior, também acabei de ler o blog de ponta a ponta. De trás para a frente, como gosto de ler os poucos jornais e revistas em que ainda pego (só os livros e que não!). Comecei pelo post que o deve ter tornado famoso nos últimos dias, com o qual me cruzei no estendal de comentários do FB do Prof. JMV e que linkei ao meu FB, com comentários antes e depois. Há algum tempo que não me acontecia isto, ficar assim "presa" à escrita de alguém, sem largar, até à última letra. Também já fui Blogger - e neste mesmo estilo autobiográfico, embora por vezes mais metafórico. Por razões várias, sai da blogosfera há alguns anos. Agora é mais FB e Twitter. Não é a mesma coisa, eu sei. E este par de horas aqui tão bem passado em companhia de uma escrita tão fértil, fluida e honesta, faz-me reflectir se não deveria regressar a este mundo mais humanizado e menos instantâneo. Talvez regresse. Mas por agora, PARABÉNS e OBRIGADA por este bocadinho. E votos de tudo de bom para esse fantástico trio familiar! :)

    ResponderEliminar
  4. Ontem li o blog do inicio ao fim, ou melhor do fim ao inicio e só tenho a dizer:
    - Parabéns pela escrita;
    - Parabéns pelo humor;
    - Parabéns pela família linda;
    - Parabéns pelo pai que é.
    Apesar de ter um filho com 4 anos, não me revejo em alguns posts, mas adorei tudo. (Por exemplo: o meu filho sempre me deixou dormir e fazer tudo, até posso aspirar a casa enquanto ele dorme a sesta que não acorda) ;-)
    Boa continuação. :-)

    ResponderEliminar