28/04/2015

O DIA EM QUE CAIU DO TRONO




Um dia disse ao meu filho que ele era capaz de fazer tudo. Foi já há algum tempo. Era ele mais pequenino ainda. Não me lembro bem o que era, mas ele estava a fazer qualquer coisa e disse "não consigo". Achei que era a minha deixa. Disse-lhe olhos nos olhos "tu consegues tudo. Nunca te esqueças disso". Esqueci-me foi que ele tinha 2 anos. Cá metáforas ainda não pegam nesta idade. Esqueci-me que os miúdos nesta idade levam as coisas um pouco à letra. E que um gajo tem de explicar tudo bem explicadinho senão dá merda. E assim foi. Não expliquei e deu merda.

Comecei por ensinar o meu filho a andar de skate com 2 anos. Desde muito cedo ele adorou. E começou a ganhar-lhe o jeito. Fui andando com ele, ensinando o que deve ou não fazer, o que pode ou não fazer. Ele foi evoluindo. Agora com 4 anos, chegou a uma fase que eu achei que ele devia passar a ter aulas com um professor e outros miúdos. Achei que podia ajudá-lo a desenvolver outras técnicas. Aprender outras coisas. Conhecer outros miúdos. Aprender com os mais velhos. Então começou as aulas. Tem dois professores ex-skaters profissionais. Além de bons skaters, bons professores. Lógico que os colegas na aula são todos mais velhos. É o único com 4 anos. E naturalmente tem as limitações inerentes à idade. Sempre que a aula começa, está com a moral toda. Motivado. Orgulhoso. Divertido. À medida que a aula vai avançando começa a esmorecer. Até que desiste a meio. Apesar do meu filho ser muito bom no skate para idade dele, apesar de ser capaz de fazer muito mais com um skate do que maioria dos miúdos e das miúdas com 4 anos, apesar de adorar, nas últimas aulas desistiu a meio, Cabeça para baixo, skate a arrastar. Aconteceu não uma, mas duas vezes.

Como não sou parvo, naturalmente nunca mostrei má cara. Nunca me mostrei chateado, nunca me mostrei desiludido, nem triste nem nada disso. Simplesmente perguntava-lhe "queres ir embora filho? de certeza?".
Nunca o obriguei a andar e só ia às aulas quando queria. Até que um dia, sentados em cima dos skates, perguntei: "filho, porque é que não queres estar nas aulas? gostas de lá estar ou não gostas muito?" Ao que ele me responde "gosto mas pensava que era só para fazer o que eu sei".

Ahhhhhhhhh. Toda a festa que eu fazia quando ele conseguia alguma coisa, todas as vezes que lhe disse que ele consegue tudo, todas os gritos que ele era o maior, vieram bater-me à porta. Ali na aula, com os miúdos mais velhos a fazerem mais do que ele é capaz, ele sente-se um underachiever. Incapaz de chegar ao nível dos outros. Nos olhos dele, ele vê todos a andarem muito melhor que ele, a fazerem mais do que ele, incapaz do distanciamento para perceber a diferença de idades, força, anos de experiência que o separam do resto da turma. Por isso ele sente-se incapaz de chegar e estar ao nível dos outros. E por isso acha que já não consegue tudo como eu tantas vezes lhe disse. Que já não é o maior. Sente-se desiludido. E acha que me vai desiludir. Porque na aula ninguém faz a festa que um pai faz. Percebi.

Expliquei-lhe que ele está nas aulas para fazer o que sabe e também para tentar aprender a fazer o que não sabe. Que tentar é fixe. E é divertido. Que ele é o mais pequeno da turma e que por isso não consegue fazer algumas coisas iguais aos outros. Que eu também já fui pequeno. Mas que ele é especial por ser tão pequeno e conseguir estar na turma dos grandes no skate. E que quando for grande vai conseguir fazer igual aos outros. Que para conseguirmos alguma coisa, temos que tentar. Aprender. E tentar.

Parece mentira que eu tenha conversas deste calibre com um miúdo de 4 anos. Mas tenho. E aprendo todos os dias com ele. Como ele certamente aprende comigo. É tão fácil cair na asneira de os iludir demasiado quando os amamos tanto. Fazemos uma festa tremenda de qualquer coisinha. Como se fossem semideuses. Ao ponto deles acreditarem que o são. E daí à desilusão é um instante. Depois é arregaçar as mangas, encher o peito e sentar ao lado deles e explicar o que devia ter sido logo explicado desde início.

Ou não. Talvez isto faça parte. Sei lá eu. Eu também só ando nisto de ser pai há 4 anos. E é a minha primeira vez. Também ando a apanhar bonés. Não sei tudo. Faço o melhor que sei. Vou tentando. E aprendendo. Um gajo tem de elogiar, mas não muito. Um gajo tem de ralhar, mas não muito. Um gajo tem de ensinar, mas não muito. Um gajo tem de exigir, mas não muito. Porra pra isto. Uma coisa é certa. Um gajo tem é de os amar e respeitar. E é muito.

BACK IN STEREO

Olha olha. Voltou. Estive M.I.A. por uns tempos que é como eu gosto. E agora voltei. Com um rol de histórias para contar. Mas que não vou contar todas. Só algumas. Mas para já, é só para partilhar um vídeo sobre um tipo que gosto. Lembrei-me dele porque na semana passada por acaso vi um filme que adoro {Almost Famous} com ele e porque cruzei-me com uma entrevista dele pela Monster Children.

Chama-se Jason Lee. É ator, e para além do Almost Famous e da série My Name Is Earl, só fez foi filmes de merda incluindo esse clássico de natal da era moderna Alvin & The Chipmunks. Não faz mal. Porque o que algumas pessoas não sabem é que ele foi um skater profissional e é sócio fundador da Stereo Skateboards uma das marcas mais criativas e das minhas preferidas de skate.

Além de skater e dono de uma das marcas mais cool de skate, ele é fotógrafo e aqui nesta entrevista com o seu sócio e amigo e ex-skater profissional Chris Pastras, fala um pouco disso tudo.

E aos poucos isto volta a interessar a quem tem de interessar.

25/03/2015

EM PAZ


Ontem estava em Barcelona quando de manhã soube que um avião tinha caído. Saído de Barcelona. Como ia regressar a Portugal passadas umas horas mandei mensagens a quem devia avisar: "caiu um avião que saiu de Barcelona mas não foi o meu e eu estou bem". Parece estúpido, mas essa mensagem poupou algum stress a quem a recebeu e que ainda não tinha visto a notícia. A mim, o stress e a tristeza abateram-se como uma avalanche. Stress porque ia viajar dentro de algumas horas. Tristeza ao imaginar as pessoas que caíram com o avião e as famílias que nunca mais as poderão segurar. Olhei para a meteorologia no iPhone. Vi que ia estar uma ventania do cara#*$%. Já sabia que ia levar uns abanos de Barcelona a Lisboa. Segurei-me à ideia da probabilidade de caírem 2 aviões saídos de Barcelona no mesmo dia. Seria a mesma de alguém ganhar o Euromilhões 2 vezes na mesma semana. Ainda assim, engoli um ansiolítico. E engoli em seco. 
Quando entrei no aeroporto em Barcelona, estava um silêncio estranho. Caras sérias. Tensas. A contrastar com o normal movimento e barulho da excitação de viajar que se encontra nos aeroportos. Tentei abstrair-me do que se tinha passado. Mas não deixava de pensar nisso. Antes de embarcar liguei à minha mulher e tentei falar como se não fosse a última vez. "Até logo" e "comprei uma coisa para o miúdo" e foi assim que desliguei. Olhei para as fotos do meu filho. Revi alguns dos vídeos. Fui dos últimos a entrar no avião. Quando cheguei à porta fiquei parado a olhar para os pés. Não me lembrava se costumava entrar com o pé direito ou esquerdo. Até porque nunca dei importância a isso. Mas agora parecia uma decisão crucial. Que se lixe. Entrei ao calhas e cumprimentei a tripulação. Sorriram mas os olhos mostravam outra coisa. Mostravam o mesmo que os meus. Apreensão. Sentei-me no meu lugar e tentei pensar em tudo menos no que estava a pensar. Na fila da frente, um indivíduo de turbante a rezar. Eu só esperava que as rezas dele fossem para chegarmos todos sãos e salvos e não para se encontrar com Alá e as virgens depois de mandar esta merda toda pelo ar. A viagem começou bem. Levantou bem, alguma turbulência pelo caminho mas nada que me fizesse cravar as unhas no banco da frente. Quando estamos a chegar a Lisboa, um vento filho da puta como nunca. O que em inglês se chama "devil wind". O avião ia a dançar o Vira por cima de Lisboa e da Segunda Circular. Lembrei-me das vezes todas que me chateio com o trânsito de Lisboa. Da merda que tenho de aturar no trabalho. Das vezes que me irrito porque o miúdo não come. Ou porque esqueci-me da mochila em casa com o equipamento para a fisioterapia. Ou da vontade que tenho de abalroar os carros que estacionam em cima das passadeiras só para ficarem em frente à porta do café para beberem a puta da bica de manhã. Ou o impulso que tenho de agarrar pelos colarinhos aquela inflexível monte de bosta que trabalha no balcão da Segurança Social.

E enquanto o avião abanava a cauda como a Beyoncé faz o twerk, eu lia repetidamente uma frase da revista que tinha ao colo. Era uma reportagem de uma viagem de surf que o Dane Reynolds tinha feito a Marrocos e que em conversa com um marroquino, o tipo diz-lhe "when the world ends we will all be gone, so we should just live in peace".

Cheguei bem. O meu filho correu-me para os braços no aeroporto como se eu tivesse chegado duma expedição à lua. Estou em paz. E é assim que devíamos ficar enquanto cá andamos. "When the world ends we will all be gone, so we should just live in peace".

06/03/2015

BLOGS I F#*KING LOVE: MONSTER CHILDREN


Desta vez o blog I f#*king love é um segredo que não é segredo. Este site é uma das minhas fontes de inspiração. Não é bem um blog, é mais uma revista. Já existe há mais de 10 anos, mas ainda assim nem por isso é muito conhecido ou mainstream. O site deles é sítio que visito regularmente. Fotografia, skate, surf, música, arte, são as coisas que se podem encontrar no site deles, que tem um formato tipo blog e por isso o meti aqui. Às vezes são polémicos e poucas vezes são politicamente corretos. Bem ao meu jeito. Já tiveram a conta de instagram deles censurada e apagada pelo Instagram pelo menos 2 vezes. E têm um dos melhores concursos de fotografia que conheço e que acontece uma vez por ano. Eles descrevem-se assim: What is Monster Children? Is it just a magazine? Of course not. It’s much more than that. Monster Children is an aesthetic, a lifestyle, a vision shared by creative forward-thinkers who believe fun is, above all, the most important thing in life after air, water, food, and Slayer. Quem gosta deste tipo de coisas, vai adorar o Monster Children. Cá eu era menino para trabalhar para eles. É clicar na imagem que já vão ver.


26/02/2015

UMA BREVE INCURSÃO NO MUNDO DO FASHION COMMENTARY {COM DIREITO A LINGUAGEM VULGAR E TUDO}


Sou gajo de ler muita merda e não tocar no assunto. Até porque, quem gosta de tocar em merda, né? Mas andei dias a ler bosta sobre a Irina Shayk. E agora apesar de não gostar muito, vou tocar na bosta. Porque isto vai para além do mero vestido que a rapariga usou lá na festa da Vanity Fair. O problema não está no vestido. O problema é a quantidade de coisas que li sobre ela. Ela Irina Shayk. Por causa do vestido que ela escolheu usar. Algumas das poias:
  • "é apenas para chamar a atenção"
  • "praticamente despida para dar nas vistas"
  • "é rasca"
  • "too slutty"
  • "se era para isto, mais valia ter ido nua"
  • "desesperada"
  • "porca"
  • "é para picar o Cristiano Ronaldo"
  • "é uma ninguém à procura de atenção"
Não sou de me meter na vida alheia. Não sou de comentar vestidos nem tapetes vermelhos. E até caguei para a razão pela qual o casal maravilha se separou. Mas rasgarem a moça por causa do vestido que ela escolheu usar... Claro que eu tinha de meter o bedelho.

É incrivel imaginar que há uma vida para além do Cristiano Ronaldo, eu sei. Talvez até pasmem saber que a mulher é uma pessoa. É verdade. Com valor próprio. Trabalhos feitos. Mérito reconhecido na sua área. Parece mentira, eu sei. Uma mulher bonita e elegante ser uma pessoa. Talvez pasmem em saber que o facto de ter escolhido um vestido ou outro, não faz dela, nem puta, nem ordinária, nem vulgar, nem desesperada, nem rasca. Incrível né? Nem significa que esteja desesperada ou queira dar nas vistas ou chamar a atenção. Epá agora a sério, pensem lá nisso um bocadinho antes de abrir a boca ou carregarem nessas teclas. Acham mesmo que a Irina Shayk parece ser alguém desesperada por atenção? Acham mesmo que ela precisa de vestir seja o que for para dar nas vistas? Foi capa da GQ, Elle, Vogue, Vs., Sports Illustrated. Modelo da Victorias Secret, Armani, Guess, Givenchy. A sério que acham que ela precisa de atenção? Ela estava como convidada na festa dos Oscars da Vanity Fair. Só. Mas como ninguém a conhece, a única explicação é que ela entrou à penetra.

Agora vou eu dizer o que vi. Vi uma mulher elegante e bonita. Uma mulher confiante. Uma mulher com pinta. Com um vestido de haute couture. Que mostra um lado do corpo. Não mostra mais nada senão isso. Não se vê rêgo como vejo em muitas gajas e gajos por aí. Não se vê cleavage nenhum. Mamocas zero. Vejo uma mulher que segundo consta terminou ela o relacionamento com o melhor jogador do mundo, um dos atletas mais ricos do mundo. Uma Mulher portanto.

Portanto, e agora é a sério mesmo, dizer que ela "não é ninguém" sem o CR ou desvalorizá-la como mulher com base num vestido, para mim é objetificar uma mulher. Insultá-la ou julgá-la com base num vestido que mostra 1 coxa, 1/2 cintura, 1 barriga, 1 braço e 1/2 costas é - desculpem lá dizê-lo - pobrezinho. Aliás, desculpem o caralho, que quem faz isso também não pede desculpa.

Ganhem juízo. Deixem lá de criticar e julgar as pessoas pelo que vestem. Não gostam do vestido? É dizer "não gosto do vestido". "É piroso". "É brega". É o que quiserem. Agora chamar à mulher deseperada, vulgar, porca, necessitada, slut.... Foda-se.

O que é que isto tem a ver com o meu blog? Tem a ver que quero que quando o meu filho cresça, olhe para uma mulher com um decote ou um vestido arrojado e diga "ganda pinta de mulher. que confiança", em vez de "ganda puta de mulher. que vulgar". Com base no decote ou no vestido.

Power to you Irina. And power to all women.

19/02/2015

HAVE FUN KID, ALWAYS HAVE FUN

A primeira vez que o pus em cima de um skate foi com 2 anos. A mesma coisa com o surf. Gosta muito das duas coisas mas prefere o skate. Eu fui ao contrário. Comecei primeiro com o skate, mas sempre fiz mais surf, apesar de adorar os dois e de os fazer há muitos muitos anos (shit I'm old). Mas ultimamente, à conta da paixão do meu filho, até tenho andado mais de skate do que surfar. E até prefiro o ambiente do skate. Mais camaradagem, mais humildade, mais amizade, mais união. Há competição, mas é sempre saudável. Todos a puxarem por todos. Quer se conheçam ou não. É puro. É raw. No surf, o ambiente é muitas vezes deprimente. Muita falta de respeito, pouca paciência, egos inflamados. Gajos que gritam muito e surfam pouco. Às vezes falta-me a paciência. No skate o ambiente é outro, tenho de reconhecer. Por isso é que o skate será sempre cool. Nunca mainstream. Continuo a gostar muito de surfar. E vou fazê-lo sempre até poder. Gostava muito que o meu filho gostasse tanto como eu e fizesse as duas coisas como o Curren Caples. Gostava, mas na verdade tanto me faz. Desde que ele se divirta. Porque é isso que conta. Letting go and having fun.


4 anos. Style, flow and lots of fun: