20/01/2014

LIFE ROLLS ON


Adoro skateboarding. Ando desde pequeno. Entrou na minha vida antes do surf. Em 1980. Nos States. Tinha eu 5 anos. O skate era de um amigo. Era vermelho e fininho, tal como os skates eram nessa altura. Meti-me em cima dele sozinho e comecei logo a rolar devagarinho à primeira sem caír. Nesse mesmo dia fui ganhando cada vez mais confiança. E andando cada vez mais rápido. Até que me espalhei ao comprido. E aprendi a minha primeira lição. A primeira que o skate me ensinou. Porque quase tudo o que precisamos de saber na vida, o skate ensina. Ensina-nos a ter equilíbrio. Ensina-nos que alguma vez vamos ter de caír. Que é inevitável. E que temos de nos levantar. Que se desce mais rápido do que se sobe. Descer é fácil. Subir custa mais. Que às vezes temos que nos empurrar para andarmos para a frente. Que é importante ter um pé à frente e outro atrás. Ensina-nos que confiança, determinação e commitment nos levam longe. Mas que confiança a mais nos pode levar ao chão num abrir e fechar de olhos. Ensina-nos que os obstáculos fazem parte da vida. Mas que servem um propósito. E que podem ser divertidos. Se os encararmos como um desafio. Se os soubermos contornar e ultrapassar. E que o conseguimos. Com equilíbrio, confiança e determinação. Com commitment. Mesmo que para isso seja preciso cair algumas vezes. Ensina-nos que não devemos parar. Que devemos continuar a rolar pela vida fora. Às vezes mais depressa. Outras vezes mais devagar. Umas vezes focados com os olhos na estrada. Outras vezes mais descontraídos a apreciar o vento na cara. E que o vento na cara sabe a liberdade. E que a liberdade nos faz feliz. E isso é o que procuramos na vida.

Pus o meu filho em cima de um skate com 2 anos. Hoje com 3 ele já anda. Já aprendeu algumas lições. Mas ainda tem muitas para aprender. Tem a vida toda pela frente. Ele ainda não o sabe. Mas tudo o que ele vai precisar de saber na vida, ele já está a aprender. Em cima de um skate. Porque parece que estou só a ensiná-lo a andar de skate. Mas o que estou a fazer é ensiná-lo a viver.

Música aqui.

*Nota: Commitment não tem propriamente uma palavra equivalente em português. É mais que compromisso. É empenho. É determinação. É dedicação. É vontade. Tudo numa só palavra.




22 comentários:

  1. Olha, nunca tinha pensado nisso do skate... Obrigada!

    ResponderEliminar
  2. Eu à espera de um ganda possessed to skate e sai-me aquilo... mas tb ta bonita a canção, pronto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. hahaha. apesar de gostar de ST, não era a música certa para o conteúdo deste post. ;)

      Eliminar
  3. adoro vir aqui poder provar que não sou um robot!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. robot ou não, conheces ST o que te dá uma vantagem sobre os outros robots.

      Eliminar
  4. ST nã é prra toudes! E podiames levarr os dia toude a escrreverr em kódigo cagórra os putes tein da mania. Ê dáva-lhes erra cum Hokus Pokus in yourr face caté saltavem as esferras dus relamentes... Ah j+a agórra eu tênhe um recórrte dos mês calções com uma assinaturra do senhorr Tom Knox... oh xiit...

    ResponderEliminar
  5. Lindo. Espero fazer o mesmo com o meu filho. Andei de skate muitos anos, comecei em 86/87 na Bélgica onde nasci e sempre a andar até aos meus 20. Trabalho, estudos e outras razões menos inteligentes fizeram com que arrumasse a prancha...Hoje estou com 35 e não resisti (o bicho esteve sempre lá), ao ver ser construido um skatepark aqui ao pé de casa (oeiras), comprei um prancha. Consciente que me ia magoar mais do que provavelmente. De facto parti o cotovelo na rampa...não faz mal, tenho que voltar a andar (com mais prudência) quando o braço estiver bom. E vou comprar uma tábua para o meu filho.
    Já agora a propósito do teu post http://www.youtube.com/watch?v=zYaOhHvN-B0
    Obrigado pela inspiração.

    ResponderEliminar
  6. Escreves muito bem e tens optimos valores. Mas empenho substitui ''commitment''.

    ResponderEliminar
  7. Gosto deste blog que descobri por acaso e gostei muito daquele post que já aceita mais comentários mas que, quanto a mim, está muito mas muito bom. abraço

    ResponderEliminar
  8. Obrigado...são estas as explicações que vou dar quando me questionam acerca da minha filha andar de Skate com 2 anos (sem falar que é um G&S vintage 80´s)!

    ResponderEliminar

  9. acho que esta música também faria sentido ao post
    (se "esquecermos" o facto que é um tributo a alguém que foi para um mundo melhor)

    ps:
    os comentários à carta aberta já estão fechados. compreendo. e respeito a decisão. mas este meu comentário também serve para expressar a minha concordância com tudo o que nela "purgou" a sua Alma. também eu fui praxado. também eu praxei. também eu tenho muitas e gratas recordações desse tempo. e porquê? porque sempre houve Respeito (de parte-a-parte).

    abr@ço
    Miguel | Tomo II

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigado Miguel. sim, Sonic Youth é uma óptima alternativa. uma das bandas da minha vida.

      Eliminar
  10. Eu não sei andar de Skate, Rui. Aliás... acho que só de me meter em cima dele, em 5 segundos, a vida me daria mais uma lição. Contudo, se o meu filho quiser andar de skate, vou falar contigo e com o Santiago, que na altura já terá coisas para ensinar também. Entretanto, vou tentado que o meu amor e experiência, sejam o skate dos valores do Manel :)*

    Bonito post

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigado. sabes que a nossa porta está sempre aberta para os amigos. abraço aos 2.

      Eliminar